Duveteux

outubro 9, 2015 14:58

O pensamento de achar que o que é fácil não deve ser valorizado já me atrapalhou um pouco na vida. Esse foi um dos motivos de eu ter demorado para me profissionalizar em uma área que hoje é a minha- a Moda. O outro era a preguiça dos colegas de métier : muito ego para pouco profissionalismo e muito deslumbre para pouca grana… Enfim, um estilo high-low, bem mais para low, na verdade.

Mas a superficialidade da Moda é mais aparente do que real, pois intrinsecamente a Moda nada mais é do que uma das maneiras de mostrar para o mundo quem você é ou gostaria de ser. Sendo assim a superficialidade está no sujeito e não no objeto.

Das minhas experiências tenho: a do varejo de vitrine que não paga, a do atacado que fatura(va até 2014) e paga em cash e a de um mercado marginal, o Plus Size.

Inacreditável é que no Brasil , há alguns anos , se você fosse maior do que o número 44, o que te restava eram roupas caretas e sem informação de moda que remetiam o seu guarda roupa a um estado litúrgico.

Hoje a realidade é bem diferente, tem marcas legais e coloridas que cuidam deste público com amor e respeito. E foi entrando numa dessas lojas que me apaixonei por um lindo vestido floral, inspirado nas estampas do sec XVIII de William Kilburn… Mas infelizmente a numeração só ia do 46 ao 54.